“A lógica do capitalismo de vigilância está perpassando todo o processo de digitalização. E isso vai criando vulnerabilidades.”

Quem afirma é Joana Varon, fundadora e diretora executiva da Coding Rights, uma das mais de 30 entidades que compõem a Coalizão Direitos na Rede, durante o evento organizado pela Fundação Heinrich Böll Brasil e Olabi Makerspace chamado “Paradoxos digitais: uma conversa sobre controle e liberdade”, que aconteceu em maio de 2019. Na ocasião, Joana dividiu o painel com o ativista alemão Malte Spitz sobre controle e liberdade em tempos de vigilância.

Acesse aqui a íntegra do evento.

Ela também explicou como a violência de gênero é habilitada por esse lógica. E também mencionou o caso dos elevados índices de erros das câmeras de reconhecimento facial que foram testadas no ultimo carnaval brasileiro sob a justificativa de promover maior segurança.

No entanto, existem formas de resistir: “É preciso entender como funciona [a engrenagem digital] para entender quais medidas você pode tomar para sua segurança e proteção da sua privacidade”.